quarta-feira, novembro 25
Home>>Arqueologia>>Qumran é uma fonte inesgotável de surpresas
Arqueologia

Qumran é uma fonte inesgotável de surpresas


Notice: Undefined index: margin_above in /home/noticiasdesiao/public_html/wp-content/plugins/ultimate-social-media-icons/libs/controllers/sfsiocns_OnPosts.php on line 439

Notice: Undefined index: margin_below in /home/noticiasdesiao/public_html/wp-content/plugins/ultimate-social-media-icons/libs/controllers/sfsiocns_OnPosts.php on line 440

A Rede para o Estudo de Artefatos e Fontes de Arquivo de Cavernas Dispersas de Qumran, cuja sigla em inglês é DQCAAS, divulgou um comunicado dando conta de uma descoberta inusitada em relação aos Manuscritos do Mar Morto.

Segundo a DQCAAS, um resíduo antigo, impregnado na tampa de um jarro, mostrou-se ser mais um fragmento de papiro. A tampa (imagem maior acima) foi encontrada no final da década de 1950 numa das cavernas de Qunram e foi posteriormente vendida para John Allegro, um estudioso dos manuscritos do Mar Morto.

Desde que adquiriu o objeto em 1963, John Allegro pensava que o resíduo encravado na tampa fosse “esterco de morcego”, mas como especialista em peças arqueológicas, ao longo de mais de 50 anos Allegro nunca o removeu (detalhe à esquerda da imagem acima). Agora, com a tecnologia que a moderna arqueologia dispõe, o resíduo foi cientificamente analisado. E veio então a surpresa: Não era esterco de morcego, mas sim fragmentos de papiros decompostos.

Uma amostra do fragmento foi enviada para teste nos laboratórios da Universidade de Reading, no Reino Unido, e os testes concluíram que o material desconhecido deriva de Cyperaceae, um membro da família dos juncos, como os juncos que eram utilizados para a confecção dos papiros dos demais rolos encontrados.

Como este tipo de junco não é comum na região do Mar Morto, os estudiosos pressupõem que eles “provavelmente venham de um ou mais rolos de papiro degradados”. Novos estudos indicam que uma jarra em uma das cavernas de Qumran caiu e o seu conteúdo se espalhou pelo chão, decompondo-se ao longo dos séculos. Como a tampa da jarra ficou sobre os papiros, parte deles grudaram-se a ela.

Ao longo de anos de pesquisas, diversos frascos cilíndricos e tampas foram encontrados em cavernas próximas ao local antigo de Qumran, a oeste do Mar Morto, mas como a maioria estava em grande parte quebrada e vazia, a sua associação com os pergaminhos nem sempre era confirmada pelos arqueólogos e outros estudiosos da área.

A descoberta deste fragmento de papiro aumenta a evidência de que mais pergaminhos tenham sido colocados também nestes vasos que foram encontrados vazios.

Os pesquisadores acreditam que embora exaustivamente exploradas, as Cavernas de Qumran talvez possam ainda surpreender o mundo da arqueologia.

ANDS | DQCAAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *